Ponto de sacrifício

Cerca de 72 horas depois, o Rio Ave FC voltou a enfrentar novo desafio para a Liga Portugal Betclic. Num campo tradicionalmente difícil, a formação rioavista entrou comprometida a dar o seu melhor – num jogo em que se apresentou com novidades no onze titular, com Tanlongo e João Teixeira a alinharem na formação inicial.

Para completar o quadro, os adeptos do Rio Ave FC marcaram a sua presença no Estádio do Dragão, numa demonstração de apoio incondicional à equipa da sua cidade.

Se é verdade que o FC Porto entrou com força na partida, também é verdade que a turma vilacondense, paciente, foi conseguindo ser competente em impedir a vantagem da equipa da casa no marcador.

Aos 10′, Galeno ainda conseguiu bater Jhonatan – que fez os possíveis para defender, mas na recarga, já sem hipótese, viu a bola bater no fundo das suas redes – mas o golo acabou por ser anulado depois da atenta avaliação do VAR.

O Rio Ave FC tentou responder, aos 14′, com jogada entre recém-chegados. Tanlongo passou para João Teixeira que rematou e viu a bola passar a centímetros da baliza de Diogo Costa. Pouco depois, Boateng conseguiu isolar-se mas, derrubado por Fábio Cardoso, acabou por chocar com o guardião portista – foi posteriormente assinalado fora-de-jogo do ganês, mas ficou demonstrada a vontade do Rio Ave FC de aproveitar as suas oportunidades.

Com um elevado caudal ofensivo, o FC Porto voltou a conseguir marcar, mas à semelhança do que se passou aos 10 minutos, foi identificada posição irregular de Evanilson, invalidando o golo.

Além das defesas de Jhonatan, Santos, Josué e Nóbrega tiveram intervenções fundamentais para afastar o perigo da baliza rioavista, permitindo que o Rio Ave FC conseguisse entrar na segunda parte com o marcador a zeros.

No segundo tempo, Luís Freire promoveu a entrada de mais caras novas do plantel rioavista. Ao intervalo, entrou o grego Marious Vrousai, a par do já conhecido Aziz, que reforçou a frente de ataque e, aos 72′, Úmaro Embaló que também se estreou com a camisola do Rio Ave FC.

A formação de Vila do Conde foi bastante pressionada pelos homens de Sérgio Conceição, mas não se deixou intimidar. O Rio Ave FC conseguiu manter a calma e a concentração, para desespero dos azuis e brancos.

Aos 77′, o avançado guineense tentou a sua sorte de longe, mas viu a bola passar ao lado da baliza da equipa da casa.

Já nos descontos, Vrousai tentou novo remate, mas a bola saiu por cima do alvo.

Boateng viu o segundo amarelo aos 90+2′, o que alimentou a esperança portista de chegar à vitória, mas o grupo de Vila do Conde uniu-se em torno de um objetivo comum e, mais corajosos do que nunca, conseguiram proteger o ponto que estava à espreita e que tanto lutaram para conseguir.

Luís Freire, na flash interview, assumiu que o Rio Ave FC entrou adormecido, mas a verdade é que depois de passarem uma meia hora difícil, a equipa mostrou uma união muito grande, brindada com alguma sorte, mas com uma atitude muito séria. “Os meus jogadores tiveram uma atitude impressionante, tanto os que já cá estavam como dos que chegaram agora”, frisou.

Jogo no Estádio do Dragão, no Porto
Árbitro: António Nobre
Ao intervalo: 0-0
Acção disciplinar: cartão amarelo a Evanilson (3′), João Mário (20′), Nóbrega (35′), Tanlongo (64′), Galeno (68′), Pepe (74′), Jhonatan (77′). Cartão vermelho por acumulação de amarelos a Boateng (84′ e 90+2′)

FC Porto 0
Diogo Costa, João Mário, Pepe, Fábio Cardoso, Wendell, Nico González, Alan Varela, Francisco Conceição, Pepê, Galeno e Evanilson.
Substituições: Nico por Iván Jaime (74′), Galeno por Toni Martínez (74′), João Mário por Gonçalo Borges (85′), Francisco Conceição por Namaso (90′)
Suplentes não utilizados: Cláudio Ramos, Otávio Ataíde , André Franco, Stephen Eustáquio e Romário Baró.
Treinador: Sérgio Conceição

Rio Ave FC 0
Jhonatan, Josué, Miguel Nóbrega, Santos, Fábio Ronaldo, Costinha, Tanlongo, João Teixeira, Joca, João Graça e Boateng.
Substituições: Joca por Vrousai (45′), Fábio Ronaldo por Aziz (45′), Nóbrega por Patrick William (58′), João Teixeira por Úmaro Embalo (72′) e Tanlongo por Vítor Gomes (79′).
Suplentes não utilizados: Cezary Miszta, Hélder Sá, Zé Manuel e Leonardo Ruiz.
Treinador: Luís Freire