O embalo de Diego numa vitória indiscutível

No futebol nem sempre vence quem mais fez por isso mas dias há em que, com justiça, a eficácia se cruza com a determinação e a melhor equipa triunfa. E triunfa de forma indiscutível.

Assim foi a noite do Rio Ave FC, na recepção ao Boavista, para a 17ª e última ronda da primeira volta desta Liga NOS.

Com um objectivo no horizonte, devidamente traçado por Carvalhal no lançamento do encontro – em caso de vitória o Rio Ave FC conseguiria 25 pontos e igualaria o 2º melhor registo de sempre do clube no fecho da primeira metade do campeonato -, os vilacondenses mostraram uma capacidade quase irrepreensível na gestão da posse e das emoções do jogo, mesmo quando do outro lado estava uma equipa agressiva, forte no contacto, faltosa q.b., que deu pouco espaço de manobra às investidas da equipa verde e branca.

A vantagem rioavista no encontro começou a ser, porém, delineada apenas ao cair do pano do primeiro tempo.

Diego Lopes, em noite inspirada, teve rasgo de génio para tirar meia equipa do Boavista da frente antes de rebentar com as redes do guardião visitante. Um golaço.

Abanavam as hostes boavisteiras perante tremendo domínio do Rio Ave FC e pouco depois já Nuno Santos fazia o 2-0. Lance anulado, porém, pelo assistente e decisão confirmada pelo olho de lince do VAR, que detectou 11 centímetros de avanço do ombro do avançado rioavista.

Mas já nada nem ninguém parava a equipa de Carvalhal. Diego Lopes, pela esquerda do ataque, teve de novo arte e engenho para colocar a bola em bandeja de ouro no pé direito de Mehdi Taremi, que fez o resto. Dilatada a vantagem, só o intervalo sustinha o domínio vilacondense.

Tempo de descanso no jogo e espaço para a justa homenagem às equipas de Sub-10 e Sub-11, que se sagraram recentemente campeãs das respectivas séries na AF Porto. De pequenino se formam jogadores e Homens pelo que este é mais um justo tributo à formação do Rio Ave FC.

A segunda parte, mais dividida, muito em função do cansaço do 11 rioavista, desgastado nos últimos dias com viagens aos Açores e a Lisboa, e da natural resposta boavisteira, confirmou, ainda assim, que o Rio Ave FC merecia um desfecho vitorioso no jogo.

 

Jogo no Estádio do Rio Ave FC, em Vila do Conde
Assistência: 2830 espectadores
Árbitro: Luís Godinho
Marcadores: Diego Lopes (41) e Mehdi Taremi (45+4)
Acção disciplinar: cartão amarelo a Paulinho (34), Obiora (37), Heri (39), Filipe Augusto (54) e Fabiano (61).

Rio Ave FC 2
Kieszek, Diogo Figueiras, Borevkovic, Nelson Monte, Matheus Reis, Tarantini, Filipe Augusto, Diego Lopes, Lucas Piazon, Nuno Santos e Mehdi Taremi
Substituições: Nuno Santos por Carlos Mané (77), Mehdi Taremi por Bruno Moreira (86) e Diego por Joca (89).
Suplentes não utilizados: Paulo Vitor, Pedro Amaral, Messias e Gabrielzinho.
Treinador: Carlos Carvalhal

Boavista FC 0
Helton Leite, Obiora, Bueno, Carraça, Fabiano, Stojiljkovic, Ricardo Costa, Rafael Costa, Neris, Paulinho e Heri
Substituições: Heri por Gustavo Sauer (45), Obiora por Yusupha (70) e Paulinho por Mateus (85)
Suplentes não utilizados: Bracali, Lucas, Idris e Ackah.
Treinador: Daniel Ramos